​©Escola Dharma
Autoconhecimento, Saúde e Bem-Estar​

(11) 3271-0606 | WhatsApp (11) 99459-7887

Logo_Dharma1.png

MEDITAÇÃO E AUTOCONHECIMENTO

A meditação é uma prática que, através de um conjunto de técnicas e conceitos, busca treinar a atenção mental e a concentração do pensamento. Sua origem é muito antiga, remontando às tradições orientais, especialmente o yoga e o budismo. Mas o termo também se refere a práticas adotadas por algumas religiões, como o cristianismo, o judaísmo, o islamismo, o taoísmo e o xamanismo, entre outras.

A palavra meditar tem origem no latim mederi, que significa “tratar, curar, dar atenção médica a”. O termo em páli utilizado para referir-se a meditação é bhavana, que significa "cultivo".

A definição de meditação pode variar de acordo com o contexto em que se encontra, em qual religião tem origem ou se é usada de maneira secular. Algumas distintas definições geralmente usadas para meditação são:

  • prática de focar a mente em um único objeto (por exemplo: em uma estátua religiosa, na própria respiração, em um mantra);

  • uma abertura mental para o divino, pedindo a orientação de um poder mais alto;

  • um estado que é vivenciado quando a mente se torna vazia e sem pensamentos;

  • contemplação da realidade e seus aspectos (como a impermanência, para os Budistas);

  • desenvolvimento de uma determinada qualidade mental, como energia, concentração, plena atenção, bondade, etc;

  • pensamento sustentado e aplicado em um tema.

Ainda que algumas definições de "meditação" adotadas por diferentes religiões sejam bem diferentes e até mesmo contraditórias, é ponto comum que apontem para uma realidade interior e o desenvolvimento/compreensão dessa realidade. A compreensão do que é meditação deve ser feita sempre dentro do contexto em que é mobilizada e da religião ou da escola que a apresenta, caso contrário as distintas explicações podem se tornar contraditórias.

Objetivos:

A meditação pode ser praticada por diversos motivos: desde o simples relaxamento até a busca pelo nirvana. Muitos praticantes da meditação têm relatado melhoria na concentração, consciência, autodisciplina e equanimidade.

Objetos:

Os objetos utilizados para o foco na meditação podem ser desde a chama de uma vela até a natureza do próprio corpo. Mantras são um objeto de meditação muito comum, como por exemplo os mantras utilizados no hinduísmo, e até mesmo a recitação do rosário na tradição cristã pode ser considerada uma forma de meditação com mantra.

Postura:

A meditação pode ser realizada em todas as posturas, seja deitado, sentado, em pé ou andando, variando conforme o contexto em que é ensinada. A meditação pode ser praticada sentando num banco. A posição sentada é adotada normalmente por ser considerada a mais fácil, pois o corpo se encontra em repouso mas ainda alerta. A famosa "Posição de lótus completo" (o pé esquerdo apoiado sobre a coxa direita e o pé direito apoiado sobre a coxa esquerda.) se difundiu muito como sinônimo de meditação por ser usada no yoga como uma posição ideal de meditação, em que se mantém o corpo estável, sendo entretanto difícil de alcançar. Inúmeras posições de meditação podem ser usadas como, por exemplo, de joelhos, meio-lótus, birmanesa, etc.

Para a meditação em pé existem métodos que vêm conquistando grande aceitação no ocidente, como a meditação feita em pé conhecida como zhan zhuang, que, devido a sua simplicidade e eficiência, é muito praticada na China e Europa. Ele é facilmente executado por pessoas com pouca flexibilidade e dificuldades nos joelhos e coluna, melhorando inclusive a postura. Facilmente praticada em qualquer local, é um excelente método procurado por muitos praticantes de artes marciais experientes ou mesmo iniciantes. Essa prática é muito efetiva na redução do estresse.

Já a prática da postura da árvore é forma de meditação em pé considerada uma das práticas fundamentais do tai chi pai lin.

Na tradição budista theravada é comum encontrar a prática da meditação andando, que é vista como uma postura na qual se desenvolve concentração em movimento, energia para a mente e vitalidade para o corpo.

Duração:

Geralmente não há um tempo mínimo preestabelecido. Pode-se iniciar com um período de poucos minutos e, conforme o praticante se aperfeiçoa, esse tempo pode aumentar até para horas, dias ou, em casos excepcionais, até meses, como ocorreu com Palden Dorje. É importante ressaltar que a frequência da prática também influencia muito os resultados.

Pratique conosco, gratuitamente, às Terças e Quintas, das 18h30 às 19h00 e Sábados das 10h30 às 11h00.

Chegue com antecedência e desfrute da prática.

pp2.jpg