​©Escola Dharma
Autoconhecimento, Saúde e Bem-Estar​

(11) 3271-0606 | WhatsApp (11) 99459-7887

Logo_Dharma1.png

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O YOGA

1 - O que é Yoga?

 

O Yoga é fruto da cultura sânscrita, nascido na antiga Índia. Sua proposta original é remeter seu praticante a um estado de consciência alterado chamado samádhi e, logo, conduzi-lo à libertação de estados inferiores de existência, kaivalyam.

Definindo resumidamente os três principais termos que citei acima: Yoga, samádhi e kaivalyam (você encontrará estes termos, novamente, explicados detalhadamente no E-book gratuito que disponibilizamos aqui)).

O Yoga é traduzido ao pé da letra como adequação, uso pelo qual, meio. É uma filosofia prática que nasceu a cerca de 2300 anos, provavelmente a noroeste do território que hoje conhecemos como Índia. Foi sistematizado por um sábio chamado Patanjali, que redigiu a primeira obra literária a tratar o tema Yoga com profundidade. Patanjali escreveu quatro capítulos (padas) chamados de Yogasutras. Nesses capítulos o sábio Patanjali ensina numa linguagem objetiva como galgar o autoconhecimento por meio de técnicas e conceitos. Tradicionalmente, o Yoga pode ser também embasado em oito feixes de técnicas chamados de asthanga (oito partes), "que é um tanto diferente do asthanga proposto em muitas escolas hoje em dia". Na estrutura original temos:

  1. Yama (normas éticas);

  2. Nyama (normas de conduta);

  3. Ásana (assentar-se no eu);

  4. Pránáyáma (controle e expansão da bio-energia);

  5. Pratyahara (recolhimento sensorial);

  6. Dhárana (concentração);

  7. Dhyána (meditação);

  8. Samádhi (autoconhecimento).

Essas oito partes de uma prática regular de Yoga estão descritas no capítulo II, a prática, dos Yogasutras. Porém, o Yoga é formado por muitas outras técnicas e conceitos que no conjunto estruturam esta incrível filosofia prática de vida que busca desenvolver no yogi (praticante de Yoga) uma vida adequada em todas as esferas.

Samádhi pode ser definido como o resultado de um esforço, de uma disciplina apropriada, na aquisição do autoconhecimento. Esse esforço que leva ao estado de consciência descrito como samádhi promove como desdobramento final a libertação de estados inferiores de existência, como sofrimento mental, apego às ilusões, incapacidade de lidar com as emoções, vulnerabilidades adquiridas por uma vida inadequada, ciclos viciosos e nocivos, dentre outras agruras. Quando conseguimos praticar apropriadamente esta disciplina, acessamos o estágio final do Yoga chamado de kaivalyam, a libertação.

Portanto, a parte física, tão divulgada nas escolas de Yoga, é na verdade uma criação moderna que foi incorporada a partir do julgo britânico em solo hindú, sendo que o modelo de ginástica ocidental foi incorporado às práticas regulares de Yoga como um atrativo a mais. É verdade que os resultados dessa simbiose foram surpreendentes, porém é um equívoco dizer que a prática de exercícios no Yoga é uma coisa feita há milênios, pois isso é algo que começou a ser feito a pouco mais de cem anos. Assim, em termos de história e tradição oriental são bastante recentes os exercícios corporais no Yoga.

 

2 - O que ensinamos no Yoga?

 

Tornar o indivíduo forte para que se sinta indispensável, insubstituível, imprescindível, tanto na existência individual como junto a uma força grupal. Fazê-lo crer que não tem na Terra nada mais importante que ele mesmo, pois a presença do universo está aí para confirmar essa verdade, visto que na sua ausência o universo deixaria de ser percebido. Assim, ao querer entrar em contato conosco, você deve trazer sempre consigo seus principais atributos: vontade própria (iccha), conhecimento interior (jñana) e capacidade de realizar (kriya).

Aqui não lhe diremos o que fazer, muito menos o que pensar. Somos incentivadores de que o indivíduo pense por si mesmo e que preserve a sua individualidade. Se há uma causa a defender, que seja a sua própria. Sua vida e seus pensamentos são a obra-prima de sua criação, e isso foi conquistado por sua própria vontade. Vivemos, comemos e decidimos segundo a nossa vontade interior, e jamais queremos pertencer a uma entidade grupal mesmo que esta seja feita de vários seres que pensam diferentemente. Só queremos eliminar as manipulações diversas. Para nós, quanto mais individualismo interior, melhor, porque sabemos que assim a paz será realmente instaurada nos corações dos que pensam desse modo. Não se trata de cumprir uma parte do jogo cósmico, e sim de que cada indivíduo escreva sua própria história, deixando de ser coadjuvante do coletivo que se aglutina pela grande causa (a vida), mas também, dentro de nossa individualidade, escrevendo diariamente nosso diário de bordo, não deixando de pensar com nossa própria cabeça. Não se trata de querer ser egoísta, pois, se assim fosse, não estaria pensando na vida cósmica e, para tanto, bastaria conquistar um par de atributos (casa, família, carro, boas roupas, viagens...) e pronto, teríamos conquistado nossa segurança e realização pessoal. Mas, o que queremos é nos realizar como indivíduo e ser cósmico, podendo estar dentro de cada ser que nos rodeia para perceber suas individualidades e respeitá-las como a nós mesmos, pois compreendemos que é o que falta na humanidade para o próximo passo evolutivo.

Queremos, acima de qualquer ideal, que cada pessoa seja a consciência ativa e realizadora de sua individualidade. Como um ser vital para a natureza e jogo cósmico.

A natureza necessita de seres pensantes, de pessoas inteligentes que saibam viver suas vidas com virtude e equilíbrio, que não se deixam violar pelo Estado, pela igreja, pelas múltiplas filosofias, inclusive pelo Yoga. Para nós, tanto a ciência como os ensinamentos dos sábios mestres são importantes, mas não tão importantes quanto nossa própria sabedoria advinda de dentro do nosso próprio ser. Sejamos livres e não busquemos um mestre, um líder, um mentor, um guia espiritual, pois em nosso interior há uma consciência que não nos deixa perder jamais. Ensinamos para que a vida seja sempre constituída por cada um de nossos alunos e que jamais devem sentir-se presos pelo sistema, pois assim estariam encontrando exatamente o oposto do que buscavam, a liberdade sem restrição. Nosso papel é somente advertir para que não façam isso.

Veja que a espécie humana é prescindível para a natureza e, se o é, temos que evitar associar-nos a ela, mas fazer crer que somos fortes e capazes de ser o responsável pela manutenção da espécie a qual pertencemos. Para saber o que vem a ser isso, cada indivíduo tem que se apresentar como líder de sua própria vida, patrão de seu próprio trabalho, gerente de sua própria tarefa, condutor de seu próprio carro, cozinheiro de seu próprio alimento, amante de seu próprio ser, realizador de seu próprio filme diário e escritor de seu guia para todos os momentos. Sem os alunos não há professor, não há ensinamentos, não há formação, não há Yoga. Assim, temos que é o indivíduo a parte mais importante do universo. Não estamos preocupados com seu psiquismo, mas, sobretudo, com sua consciência que nada diverge se habita em nós.

Se há dependência não há liberdade, e se não há liberdade só podemos contar com o sofrimento.

O melhor a fazer é participar da coletividade oferecendo ao grupo o que temos desabrochado interiormente para ajudar a recobrar sua personalidade e identidade.

Em resumo, pensamos que qualquer consciência coletiva manipulada por uma ordem central é nociva para os indivíduos que a compõe, e se não preserva a identidade do indivíduo não tem razão para existir. Mesmo a grande consciência (Shiva) é unitária. A criação de uma consciência coletiva não deixa de ser uma manipulação por parte de pessoas que adoram lograr benefícios próprios.

Como disse o psicanalista Carl Gustav Jung “mentiras existem objetivamente numa consciência social. De preferência a igreja (ou qualquer outro grupo), a psique goza de uma situação de equilíbrio (mesmo que seja aparente). Em todo caso existe uma proteção suficientemente eficaz contra a desvalorização do grupo”. Mas se desaparece o grupo e seu Eros Maternal (energia de vida posta na causa grupal), o indivíduo fica indefeso e a mercê de qualquer consciência coletiva.

Bom, espero que nossa proposta esteja bem clara: o indivíduo sempre preservado e faremos de tudo para a não existência de uma consciência globalizada em que um pensa por todos.

 

3 - Yoga é um termo masculino ou feminino?

 

É masculino (o Yoga), porque em geral as palavras sânscritas terminadas em "a" são masculinas. Também podemos afirmar que no sânscrito não existe o som “é” nem o som “ó”. Portanto, o correto é dizer o Yoga, com o fonema "o" fechado.

4 - Mas muitas pessoas dizem Yóga. Existe diferença entre Yoga e Yóga?

 

Sim, a Yóga (com uma proposta holística, exotérica e cristianizada) nasceu no Rio de Janeiro na década de 1950. Já o Yoga,  enquanto filosofia prática, nasceu há mais de dois mil anos na Índia antiga, e tem o objetivo de expandir a consciência, proporcionando um estado de hiperconsciência (samádhi: meta do Yoga).

 

5 - Yoga é uma espécie de ginástica?

 

Não. Yoga não é nenhum tipo de ginástica nem modalidade de Educação Física. Uma prática de Yoga compreende técnicas orgânicas, respiratórias, relaxamento, concentração, meditação e outras. Enquanto que a Educação Física trabalha basicamente com exercícios corporais.

 

6 - Yoga é melhor do que Educação Física?

 

De forma alguma. São coisas completamente diferentes. Nenhum dos dois é melhor que o outro. Todo aluno de Yoga deveria praticar algum tipo de esporte e todo desportista deveria praticar Yoga.

 

7 - Yoga é religião? 

 

Não. O que acontece é que na época medieval O Vêdánta (filosofia espiritualista) foi tão fortemente difundido por seu mestre Shankara, que o Yoga (filosofia prática, puramente técnica) também sofreu a sua influência. Mas são filosofias completamente distintas.

 

8 - Yoga é terapia?  

 

Também não. Afirmar que Yoga é terapia é o mesmo que afirmar que tênis ou natação é terapia. Algumas pessoas podem praticar tênis como psicoterapia ou natação para asma, mas isso não pode desfigurar a verdadeira natureza desses esportes.

 

9 - Por que os médicos indicam para seus pacientes a prática do Yoga?

Porque, sendo o Yoga uma filosofia de vida, ensina como viver melhor. E uma pessoa doente precisa aprender isso.

10 - Por que os livros de Yoga relacionam tantos efeitos terapêuticos?

 

Porque eles existem. Mas o que ocorre atualmente é uma distorção utilitária e consumista. Você sabe por que muitos escrevem livros sobre Yoga abordando seus efeitos? Porque vende bastante. E você sabe por que poucos escrevem livros sobre Yoga mesmo, ou seja, sobre técnicas do Yoga? Porque não vende bastante. Por mais estranho que pareça, é simplesmente isso.

 

11 - Quem pode praticar e qual a faixa etária ideal para se praticar Yoga?

 

Todo mundo. Desde que seja com um profissional competente, o Yoga pode ser praticado por crianças, adolescentes, adultos e pelos que estão na melhor idade.

 

12 - Yoga reprime?  

   

Yoga não reprime e não proíbe nada. Acontece que existem várias divisões no Yoga. Uma delas divide o Yoga em dois grandes grupos: Tantra (o mais antigo, pré-clássico, de origem dravídica e/ou védica) e Brahmácharya (o mais recente, introduzido na Índia pelos invasores). O sistema filosófico Tântrico parte do princípio do respeito pela liberdade das pessoas. Orienta, mas dentro desse respeito pelo direito de escolha. Na linha Tântrica, ninguém é obrigado a nada, come o que quiser e faz da sua sexualidade o que considerar mais adequado. Esse é o tipo de Yoga que adotamos. O outro sistema, o Brahmácharya, é restrito, proíbe uma série de coisas e constrange a sexualidade plena.

 

13 - Por que se utiliza incenso (purificador de ambiente) nas práticas de Yoga?      

 

O incenso é utilizado para perfumar e purificar o ambiente, proporcionando a estimulação respiratória. Muitos incensos são químicos e tóxicos. Raro é o incenso que é produzido com matéria-prima de qualidade, que purifica o ambiente.

14 - E sobre a alimentação? 

 

Imagine se um executivo tiver a mesma alimentação de um estivador do porto ou vice-versa! Os dois ficariam doentes, um por excesso e outro por carência. Se insistissem, teriam sua expectativa de vida abreviada em muitos anos. Além disso, a alimentação influencia muito na conquista de melhores resultados. Você obterá mais informações na pergunta nº 22.

 

15 - Yoga não é muito parado?      

 

Não. Você já viu uma sequência de técnicas corporais? Se não viu, quando vir ficará de queixo caído, ao constatar que o Yoga não é nada daquilo que você imagina. Vai ficar apaixonado pela beleza dos movimentos.

 

16 - Quais são os benefícios para quem pratica Yoga? 

 

Por exemplo, a introdução da prática de Yoga nas empresas aumentou expressivamente seus lucros. Nos cargos de confiança, decisão de comando, o Yoga reduziu os índices de esgotamento, estafa, úlceras, enfartes, etc. No pessoal do escritório, ao combater o sedentarismo eliminou as dores nas costas, problemas na coluna, hemorróidas, sonolência depois do almoço, e irritabilidade que atrapalhava as relações humanas entre os funcionários e emperrava a máquina administrativa. E entre os operários, aumentou a produtividade em cerca de 30% porque oxigenou seus cérebros, o que lhes fez trabalhar com mais atenção, cometer menos erros, menos acidentes e realizar suas tarefas mais contentes. Essa satisfação é compreensível: o aumento de oxigenação cerebral produz uma sensação de euforia. Por isso o Yoga é tão eficaz contra a depressão. Em todos os escalões observou-se uma queda considerável nas faltas ao trabalho por motivos de saúde: só por motivo de gripe, por exemplo, as faltas caíram pela metade.

Os profissionais ligados à área de educação física procuram o Yoga porque são beneficiados no aumento da resistência, alongamento muscular, flexibilidade, proteção contra distensões, mais concentração e controle emocional.

Os artistas descobriram que o Yoga aprimora a sensibilidade e a criatividade. Os estudantes estão interessados no melhor aproveitamento em menos horas de estudo e no controle do sistema nervoso nas provas.

Como vemos pelos exemplos acima, quase ninguém está interessado no Yoga em si. Quase todos querem apenas os benefícios utilitários que constituem apenas os efeitos colaterais do Yoga, simples consequência de um ótimo trabalho. Mas o Yoga é superlativamente maior, mais importe e mais nobre.

 

17 - Quantas vezes por semana se deve praticar Yoga?

 

O ideal é praticar todos os dias.    

 

18 - Quanto tempo por dia deve-se praticar Yoga?  

 

Na escola as práticas são de uma hora. Em casa você pode praticar um tempo compatível com o adiantamento que desejar.

 

19 - O Yoga pode ser praticado nas atividades do dia-a-dia?

 

Pode e deve. Na escola você aprende as técnicas e a vida é onde se põe em prática.

 

20 - É possível praticar Yoga em casa, sem instrutor?

 

Aconselha-se sempre que busque um instrutor e não meça esforços para conseguir um bom. Mas, se não for possível, nesse caso poderá praticar orientado por bons livros, cd, DVD, etc.

 

21 - Qual é o objetivo do Yoga? 

 

O objetivo do Yoga é aumentar ainda mais a saúde do praticante, fortalecendo seu sistema endócrino, circulatório e nervoso, preparando-o progressivamente para o empuxo final que é o samádhi (hiperconsciência).

 

22 - Qual é a alimentação preconizada pelo Yoga?

 

O sistema alimentar adotado pela maioria dos Yoguis é o vegetarianismo. Ele empiricamente mostrou-se ideal em termos nutricionais e também na melhoria do rendimento e desempenho na prática. Se você não come carne, o que você come? Frutas, cereais, legumes, massas, raízes, verduras, queijos, iogurtes, pães, salgados, tortas, leite, suflês, empadões, pizzas, sopas, estrogonofe com palmito, cogumelo, carne de soja, legumes empanados, à dorê ou à milanesa, legumes ao molho branco, gratinados com queijo, etc. Existem muitas receitas saborosas, procure se informar e conhecer o mundo maravilhoso dos vegetarianos.

 

23 - Quais são os efeitos do Yoga?

 

Os efeitos são simples consequência de exercícios fortes e agradáveis. Não se trata de terapia. Tais efeitos ocorrem como resultado natural de estarmos exercitando uma filosofia milenar. Se você aprende a respirar melhor, relaxar melhor, desenvolver músculos fortes e flexíveis, a conseqüência só pode ser a melhoria da saúde e a redução de estados enfermiços.

Yoga não é terapia, é filosofia. Não pretendemos substituir o médico. Pelo contrário, aconselhamos todos a fazerem um exame médico antes de iniciar a prática.

 

24 - O Yoga ajuda a melhorar o Estresse?

 

O estresse em si não é uma coisa ruim. Sem ele o ser humano seria vulnerável e não conseguiria lutar, trabalhar ou criar com a necessária agressividade. Mal é o excesso de estresse ou a falta de controle sobre ele. Estresse é aquele estado produzido por solicitação de alerta, o qual, para ser saudável, deveria ser esporádico. Em excesso ocorre uma reação em cadeia de efeitos secundários, tais como enfarte, pressão alta, enxaqueca, insônia, depressão, nervosismo, queda de produtividade, queda de cabelo, redução da capacidade imunológica, herpes, problemas digestivos, úlcera, gastrite, impotência sexual, e muitos outros. Basta reduzir o estresse para reduzir também todos os seus efeitos.

O Yoga é um dos recursos mais eficientes para reduzir o estresse a níveis saudáveis. Tal opinião é publicada numa grande quantidade de livros sérios sobre o assunto e é partilhada por um bom número de médicos que indicam o Yoga aos seus pacientes estressados como apoio terapêutico para uma considerável variedade de problemas. Por essa razão, muitos buscam no Yoga a dose extra de energia e dinamismo de que necessitam, mas, ao mesmo tempo, o controle de estresse. Muitos sentem o efeito de combate ao estresse já na primeira prática de Yoga bem conduzida.

25 - Como o Yoga trata a Úlcera, pressão alta e enfarte?

 

Aí estão três consequências diretas do estresse e da vida sedentária. A maior parte dos tratamentos é paliativa. Quem tem úlcera ou pressão alta passa anos a fio sendo medicado e  submetido a restrições na alimentação. Não obstante, quando ocorre uma contrariedade na empresa ou na família os sintomas costumam voltar a se agravar. O enfarte, quando não mata, inutiliza o profissional.

O Yoga oferece benefício em dois níveis: antes e depois de já possuir algum tipo de problema com essas doenças. Antes, a prática do Yoga tende a reduzir enormemente a incidência de úlcera, pressão alta e enfarte em quem ainda não os teve. Depois, costuma auxiliar de forma palpável a recuperação da pessoa afetada. A úlcera e a pressão alta geralmente já mostram melhoras desde o início da prática de Yoga, o que pode ser facilmente sentido pelo próprio praticante e confirmado pelo seu médico, cujo acompanhamento é obrigatório.

 

26 - O Yoga acaba com a Insônia?

 

Ninguém sabe explicar porque, mas se você praticar Yoga pela manhã ou à tarde, conciliará o sono facilmente à noite.

A prática do Yoga regulariza o sistema endócrino, circulatório e nervoso, consequentemente, normaliza o sono.

 Algumas orientações serão transmitidas para melhoria do comportamento das pessoas com tendência à insônia, ou seja, elas terão que mudar alguns hábitos, como, por exemplo, eliminar as substâncias estimulantes (café, chá preto, guaraná, etc.) e, com certeza, buscar acompanhamento médico.

 

27 - Como vencer a Enxaqueca?

 

Aquela dor de cabeça que ocorre de tempos em tempos, às vezes acompanhada de outros sintomas tais como luzes cintilantes, enjôo, etc.

Ela não tem remédio definitivo. Usam-se como paliativos os analgésicos mais ou menos fortes e uma série de cuidados com alimentação e com estresse. Certos alimentos podem desencadear a enxaqueca numa pessoa e não em outra. Às vezes o leite desencadeia um acesso de enxaqueca, ou o ovo, ou comer demais, ou misturar muitos alimentos. Outras vezes basta apenas uma emoção ou tensão.

Para interrompê-lo, você pode experimentar uma boa dose de chá preto ou de café forte, desde que seja bem no início da crise. Mas atenção: se você está habituado a usar muito chá ou muito café, poderá não ser tão bom.

A prática regular do Yoga costuma ir progressivamente espaçando mais os períodos entre uma enxaqueca e outra, assim como ir reduzindo consideravelmente a intensidade de cada uma.

 

28 - Eu melhoro a Asma fazendo Yoga?

 

Uma crise de asma geralmente precisa de dois fatores para que possa ocorrer: um físico e outro emocional, com predominância do primeiro ou do segundo, conforme a pessoa. Entretanto, em ambos os casos, os exercícios Yogui tem se mostrado excepcionalmente eficientes para reduzir a intensidade dos acessos e espaçá-los cada vez mais.

Os efeitos do Yoga sobre asma são muito rápidos, desde que o praticante execute em casa um exercício respiratório (bhástrika) durante menos de cinco minutos por dia e participe de uma ou duas práticas por semana com o Instrutor.

 

29 - Como o Yoga lida com a Depressão?

 

Algumas vezes a depressão tem razões justificáveis, nesse caso é perfeitamente normal se, completando seu ciclo, ela se extingue naturalmente, não deixa sequelas e demora em se repetir.

Se a depressão é muito intensa, muito frequente ou sem razão aparente, requer uma atenção especial.

O Yoga possui técnicas eficazes no combate à depressão. Uma delas é a hiper-ventilação que bombeia mais oxigênio para o cérebro. O Yoga utiliza tais técnicas há milhares de anos, mas só recentemente a ciência esboçou uma explicação: o aumento de oxigênio cerebral produz uma sensação de euforia que elimina a depressão sem a necessidade de medicamentos.

Exercícios respiratórios, aliados a técnicas corporais e técnicas de descontração, deram a fórmula perfeita para a eliminação da depressão.

 

30 - Fazer Yoga ajuda a emagrecer?

 

O Yoga atua nas glândulas e regula a orquestra endócrina. Consequentemente, alguns praticantes vão perder peso, enquanto outros vão ganhar. É claro que a moderação alimentar é aconselhável para aqueles que buscam perder peso.

 

31 - As dores na coluna param com a prática do Yoga?

 

Quem é que não tem algum problema de coluna? Quase todo mundo tem. A razão disso é a vida sedentária que se tem hoje em dia, aliada às cadeiras e poltronas das residências, escritórios, automóveis, cinemas, etc. totalmente mal planejadas. A isso, some-se o hábito de sentar-se mal, com a coluna torta, e o de ficar em pé com má postura; parar numa perna só, sempre a mesma; dormir numa posição só; carregar bolsa, pastas ou embrulhos sempre de um mesmo lado; levantar peso com a coluna mal posicionada; dormir em camas muito moles, e com travesseiro muito alto, etc. Mas de todas as causas, a principal é a falta de exercícios saudáveis.

O Yoga tem produzido ótimos resultados para problemas de coluna, tais como: lordose, cifose e escoliose. Para o bico de papagaio, hérnia de disco e outros mais graves, o Yoga atua bastante como profilaxia ou então, quando já em estado evoluído, ajuda a atenuar as dores desde que nesse caso sob estrita orientação do ortopedista.

Por outro lado, há uma legião de pessoas que padecem de dores crônicas nas costas, mas cujo desconforto não tem nada a ver com a coluna propriamente dita. São dores musculares, facilmente eliminadas com flexões, extensões, torções e trações proporcionadas pelos exercícios de Yoga, sempre agradáveis. Além disso, ainda há relaxamentos que ajudam a eliminar tensões musculares, quer sejam elas provenientes de má postura, cansaço físico ou estresse.

 

32 - O Yoga combate a impotência sexual?

 

Aí está uma das coisas que mais despertam a atenção no Yoga. É que a simples prática regular aumenta bastante a energia sexual e aprimora o prazer sensorial. Consequentemente, aqueles que sofrem de impotência sexual ou de frigidez, gradualmente, vão eliminando estes problemas.

 

33 - Melhora o alongamento muscular?

 

No Yoga não há aquecimento, trabalhamos o corpo frio, o que é mais eficiente e ainda nos garante duas coisas com as quais todo mundo sonha:

a) A proteção contra distensões mesmo praticando o esporte sem o aquecimento prévio;

b) O desportista não sai de forma quando interrompe os treinos. Dependendo do esporte, pode manter o atleta relativamente em forma durante anos sem treinar.

 

34 - Qual é a diferença entre flexibilidade e musculação? É verdade que quanto mais musculoso menos flexível fica?

Isso é apenas uma meia verdade.

Geralmente, músculo muito alongado perde em força e o músculo muito forte perde em alongamento. Contudo, através das técnicas orgânicas (ásana) você vai obter músculos fortes e bem alongados simultaneamente.

O Yoga possui técnicas que desenvolvem a musculatura de uma forma extremamente harmoniosa, conferindo domínio até de músculos considerados involuntários, o que contribui para uma performance superior em cada esporte, dança ou luta. E, ainda, garante uma proverbial flexibilidade articular e muscular obtida mediante a eliminação de tensões localizadas.

 

35 - Sobre a competição no dia-a-dia...

 

Você já observou que, mesmo com o corpo em repouso, quando fica nervoso o coração acelera?

A sua respiração fica ofegante quando você fica emocionado por um grande susto, medo, raiva, nervosismo ou mesmo antes de uma competição ou campeonato.

Muito antes de você pôr os músculos a trabalhar, o coração já está acelerado, a musculatura pré-intoxicada e o corpo cheio de adrenalina. Tudo isso com uma antecipação prejudicial. O resultado é uma considerável perda de energia e uma queda de rendimento, só por nervosismo, estresse. Lá se vai o fôlego por falta de controle emocional. Lá vem uma distensão só porque você estava tenso demais e contraiu demais a musculatura. Se você praticasse Yoga isso não aconteceria.

Agende sua aula, clicando AQUI.

pp2.jpg